Covid-19: Levantamento da Abrasel destaca comportamento do consumidor em bares e restaurantes

0
30

O medo do contágio e a queda da renda dos consumidores são os mais relevantes gargalos para a retomada dos bares e restaurantes em Santa Catarina. A constatação vem de um levantamento da entidade realizado com 1372 pessoas, entre 11 e17 de maio, em todas as regiões do estado, cujo objetivo foi justamente detectar os novos hábitos de consumo.  “Mesmo com o segmento seguindo todas as regras para o retorno, o medo impera entre a população”, afirma Raphael Dabdab, presidente da Abrasel em Santa Catarina. De acordo com a consulta, somente 7,5% dos entrevistados têm segurança para frequentar restaurantes.

Segundo Dabdab, “apesar de nosso estado ser referência em saúde alimentar, este pânico superou o bom-senso”. Ele ressalta que o risco de contágio dos estabelecimentos é de moderado a leve – igual ou inferior a um supermercado – e que o distanciamento previsto entre os clientes é mais que o suficiente, diante dos estudos apresentados. “Sem contar que os alimentos não são agentes transmissores da Covid-19”, enfatiza.

“O conhecimento em relação aos protocolos seguidos pelo setor é baixo e este é nosso maior desafio: informar. Lembro sempre que as normas brasileiras de higiene são mais rigorosas que as adotadas na Europa e EUA”, diz Dabdab.

A redução da renda é outro fator determinante para este cenário – 73% dos entrevistados tiveram seus rendimentos impactados. Destes, 21% perderam o poder aquisitivo em mais de 50% e 68% optaram por não adquirir alimentos fora do lar.  A opção pelo delivery foi a encontrada pelo público para consumir alimentos fora de casa – 63% dos consultados afirmaram ter aumentado a frequência do serviço, enquanto 57% disseram ter gastado mais com esta modalidade. “A questão financeira demorará mais a ser superada e, por isso, os empresários têm de repensar seu modelo de negócio à luz desta nova realidade”, alerta. “Temos agora o desafio de informar a população e precisamos contar muito com nossos governantes para a disseminação de informações confiáveis e plenas”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA