Florianópolis concorre novamente ao Programa Bandeira Azul

0
29

Florianópolis é a única cidade no Brasil com candidatos em todas as modalidades do Programa Bandeira Azul e agora está buscando renovação para o título. Três candidatos da capital catarinense foram aprovados pelo Júri Nacional do Programa Bandeira Azul à certificação Bandeira Azul para a temporada 2018/2019. São eles: Lagoa do Peri, na categoria Praias, Iate Clube de Santa Catarina, na categoria Marinas, e Água Viva Mergulho, na categoria Embarcações de Turismo Sustentável. Toda a documentação foi encaminhada ao Júri Internacional, que se reunirá em setembro em Copenhagen para definir os vencedores. O resultado final será divulgado em outubro.

Iniciativa da FEE (Foundation for Environmental Education – Fundação para Educação Ambiental), o Programa Bandeira Azul tem como objetivo elevar o grau de conscientização dos cidadãos e dos tomadores de decisão para a proteção do meio ambiente, contando com o apoio de diversas instituições internacionais. O título é concedido àqueles que cumprem, mundo afora, critérios relacionados à gestão ambiental, qualificação da infraestrutura e segurança. “Bandeira Azul é o maior selo sustentável internacional de praias, marinas e barco de turismo. Um marketing mundial sem precedentes para quem o conquista. Existe um turismo náutico qualificado que só procura lugares Bandeira Azul.”, destaca Michele Castilho Henrique, diretora de Turismo e Eventos da Acatmar Associação Náutica.

Sobre a Bandeira Azul
Considerada a mais importante da categoria em todo o mundo, a Bandeira Azul é atribuída anualmente por uma ONG às praias, marinas e embarcações de turismo sustentável que atendem um conjunto de requisitos socioambientais, entre eles limpeza, qualidade da água, ações ambientais e turismo sustentável. Para ser certificada, o candidato deve passar por três instâncias de avaliação, começando pelo operador nacional do programa, que encaminha a inscrição para o júri nacional e, finalmente, o júri internacional. No Brasil, o programa é operado, desde 2004, pelo Instituto Ambientes em Rede, de Florianópolis.

DEIXE UMA RESPOSTA